Israel recebeu 2,8 mil turistas portugueses nos primeiros quatro meses deste ano, com um aumento em 7% relativamente ao período homólogo de 2016, de acordo com a informação da Oficina Nacional Israelita de Turismo.

A mesma informação indica que em Abril, que este ano compara favoravelmente com 2016 por ter sido o mês da Páscoa que no ano passado foi em Março, o crescimento do turismo português atingiu 86%.
Dados do Aeroporto de Lisboa a que o PressTUR teve acesso indicam que no mês de Abril teve 4.138 passageiros em voos de/para Israel, com um aumento em 67%.

Esse total de Abril foi o que definiu o quadrimestre, em que o Aeroporto de Lisboa somou 4.323 passageiros em voos de/para Israel, +74,5% que no período homólogo de 2016.

(Via N. F.)

"Não é conhecido se Bar Kokhba fez algumas reivindicações messiânicas, mas muitos na sua época levantaram a suspeita se ele poderia ser o Messias Judeu. Por exemplo: Bar Kokhba (originalmente Bar Kosiba) recebeu o nome através do Rabi Akiva, um respeitado professor religioso, o qual proclamou que Shimon era “a estrela” (em hebraico Kokhba) que “sairia de Jacó”, uma menção a Números 24:17 e um texto a que se atribui claramente uma implicação messiânica."

Leia o artigo completo aqui.

Se as pedras de uma certa estrada,
Pudessem contar o que nelas aconteceu,
Contariam muitas estórias e contos de fada,
E a história de um Homem Santo que nelas percorreu.

Multidões, gritos, ódio, violência e rancor,
Estava lançada a condenação deste inocente,
Que ao ver a excitação do povo, em fervor,
Não abriu a boca, e prosseguiu em frente.

Espancado, agredido e em humilhação,
Desnudado, chicoteado e suportando o madeiro,
Lentamente caminhou por entre a multidão,
Levando no coração um povo, o prémio verdadeiro.

Por ser Rei, espetaram-no com espinhos numa coroa,
E depois das 39 chicotadas, deram-lhe uma túnica,
E a postura que só um homem bom tem, que perdoa,
Caminha num silêncio ensurdecedor, como resposta única.

O peso do pecado da humanidade era angustiante,
As feridas, pisaduras e enfermidades eram mais que muitas,
Mas a cada passo a vontade era maior de seguir adiante,
Para que a Esperança, ao ser humano, fosse gratuita.

Ei-lo chegado ao calvário, esgotado e esmifrado Filho,
Com cravos longos pregaram-no numa rude e injusta cruz,
Junto a salteadores e à vista dos homens, maltrapilho,
Mas ainda assim em amor e perdão, oh meu Jesus!

A angústia e a solidão invadiram o peito do Cristo,
‘Eli, Eli, Lamá Sabactani’, ‘entrego o meu Espírito’ e ‘perdoa-lhes Pai’,
Foram palavras fortes, ditas com dor e espírito contristo,
Mas de forma vitoriosa e em contra-senso, terminou dizendo ‘Tetelestai’.

Poema de,
Pr. João Viegas

Publicado também aqui.

Muitas abordagens na Bíblia sobre a ordenança do Yom Kippur anteveem o grande Dia da Expiação: o sacrifício do próprio Messias.

Aparentemente, Deus enumera mandamentos estranhos e até mesmo bárbaros acerca do sacrifício de sangue na Lei, que para nós, cidadãos do século XXI os parecem muito desconcertantes. Contudo, quando olhamos cuidadosamente e em detalhe para as instruções e o que está por detrás, torna-se impressionante verificar a beleza e a profundidade da sabedoria de Deus e dos seus planos proféticos. Basta apenas cavar um pouco mais para descobrir tesouros maravilhosos.

A iniciativa de Deus.

Continua aqui.

Hebron é, depois de Jerusalém, a segunda cidade mais sagrada para os Judeus. Os Judeus viveram nela mesmo depois da ocupação árabe no século VII. Eles eram considerados cidadãos inferiores, “dhimmis”, segundo os costumes da administração muçulmana. No século XVI os Judeus já tinham sido expulsos de entrar na Caverna dos Patriarcas. Houve motins contra os Judeus em 1517 e 1834. Nessa altura não se falava em ocupação, Sionismo e tão pouco Israel.

A maior chacina ocorreu em 1929. Cinquenta e nove Judeus foram assassinados por uma multidão de muçulmanos agressivos, enquanto alguns árabes, “Justos Entre as Nações”, rejeitaram o ódio e esconderam Judeus. No seguimento da chacina, os Judeus foram forçados a sair e os Muçulmanos tomaram os seus bairros e casas.

Continuação deste texto aqui.

No princípio Adão e Eva quando descobriram que estavam nus tiveram vergonha. Deus veio visitá-los como de costume e eles tinham desobedecido comendo da árvore proibida. E entristeceram a Deus. Magoaram Deus. Pecaram contra Deus. Morreram para Deus.

Mas ali mesmo, diante do reconhecimento do erro, Deus matou um cordeiro, e vertido o seu sangue, com as suas peles foi coberta a sua nudez.

a) Entre outros resultados o sacrifício de sangue inocente trazia ao povo uma consciência de consternação e culpa que fazia com que eles endireitassem o seu caminho de novo com Deus.
b) Se não houvesse sacrifício de sangue no altar então também não teríamos a cruz. A “cruz” é validada pela Lei, pela Profecia, pela forma como tudo apontava para um Messias que haveria de morrer pelo seu Povo para se tornar o seu Salvador e Rei Eterno!
c) “Sem derramamento de sangue não há remissão de pecados”.

Todo o texto sobre este tema aqui.

Em 14 de Maio de 1948, pelas 16H00, numa quente Sexta-Feira em Tel Aviv, "nasceu Israel". Em 2018 serão celebrados os 70 anos deste acontecimento histórico e profético.
Não poderíamos deixar de celebrar esta data fundamental para Israel, para os judeus e o mundo em geral. Temos já o programa organizado para uma excursão a Israel, em finais de Agosto de 2018, com inscrições já abertas e com condições de pagamento extremamente facilitadas!
Saiba mais aqui.

Palestinianos presos injustamente.
http://cristaossionistasportugueses.blogspot.pt/2016/10/palestinianos-presos-injustamente-pela.html

Polícia filmado a maltratar criança palestiniana.
http://cristaossionistasportugueses.blogspot.pt/2016/08/policia-filmado-maltratar-crianca.html

Os gentios devem ser expulsos de Israel.
http://cristaossionistasportugueses.blogspot.pt/2016/06/gentios-devem-ser-expulsos-de-israel.html

A Ancestralidade do povo judeu.
http://cristaossionistasportugueses.blogspot.pt/2016/05/a-ancestralidade-do-povo-judeu.html

Israel cada vez mais sozinho.
http://cristaossionistasportugueses.blogspot.pt/2016/04/israel-sozinho.html

O sétimo desafio: facas.
http://cristaossionistasportugueses.blogspot.pt/2015/10/o-setimo-desafio-facas.html

E se Israel desaparecesse.
http://cristaossionistasportugueses.blogspot.pt/2015/09/e-se-israel-desaparecesse.html